Brasil mineral, de quem é todo esse tesouro?

Publicado em

 

Por MM Advocacia Minerária.

 

Segundo a Constituição Federal de 1988, as jazidas, em lavra ou não, e demais recursos minerais e os potenciais de energia hidráulica constituem propriedade distinta da do solo, para efeito de exploração ou aproveitamento, e pertencem à União.

O Brasil tem diversos e abundantes recursos minerais, cuja exploração pode ser economicamente viável ou não. Quando um recurso mineral tem exploração de interesse econômico é chamado minério, para efeitos de direito minerário.

No território brasileiro, encontram-se diversas variedades de minérios, de maior ou menor valor econômico, essenciais a toda gama de produtos utilizados pela sociedade, em todos os cantos do mundo. Desde alimentos e medicamentos, até fertilizantes e construção civil; de material cirúrgico a equipamentos espaciais; aparelhos de uso doméstico e tudo que envolve a tecnologia da comunicação. Em toda parte estão os resultados das explorações minerárias.

A vida do brasileiro, desde a época colonial, e as descobertas das riquezas minerais que aqui se encontram, entrelaçam-se, constante e intimamente, ao longo da história e da evolução da nossa sociedade. Minas Gerais teve, em razão dessa relação, papel extremamente relevante, confundindo-se as turmalinas e as esmeraldas dos capitães e bandeirantes, fundando-se cidades adentro do território nacional.

Em razão dos recursos minerais que se encontram em seu território, o Quadrilátero Ferrífero, no nosso Estado, tornou-se uma das mais conhecidas regiões de concentração de ouro e minério de ferro de alto teor, desde meados do século XX, seguido, décadas após, pelo Pará, de sua controvertida Serra Pelada ao atual e não menos refutável complexo Carajás.

Do Quadrilátero Mineiro, onde o minério de ferro e o ouro são explorados, em larguíssima escala, são exemplos de extração de grande vulto, Itabira, por tantos anos, Barão de Cocais e Santa Bárbara, e Conceição do Mato Dentro, com o complexo Minas-Rio, pela Anglo American, e o futuro desafiador Projeto da Serra da Serpentina, pela brasileira Vale S.A, presença certa, esta, em múltiplos pontos do território nacional.

Ao norte e nordeste de Minas Gerais, Região de Salinas e do Jequitinhonha, o lítio desponta como riqueza mineral importante, essencial para a transição energética, necessária ao mundo em evolução, sendo grande aposta da Mineradora Sigma Lithium.

No centro-sul da Bahia, Maracás, a surpreendente exploração de vanádio, de uso essencial em medicamentos, única mina em território brasileiro.

E o que se dirá do nióbio, em Araxá – Minas, ainda – que faz do Brasil o maior produtor mundial?

Desde as composições minerais mais abundantes, em todo o país, como as areias e calcitas (calcáreo, mármore e giz) até o ouro e o cobre; ou as pedras preciosas, do nordeste mineiro, ou o raro topázio rosa, encontrado na região de Ouro Preto: muito há no país, explorado e a explorar.

A dimensão de tal riqueza não é, ainda, completamente conhecida. Será preciso apurá-la, catalogá-la. Sua exploração resulta em meios de intensificação do comércio, gira fortemente a economia mundial, e deve voltar-se ao pleno e justo desenvolvimento social, sem ofensa irreparável ao meio ambiente natural. Reside, neste ponto, a tão aclamada e necessária sustentabilidade.

Vê-se, porém, e de fato, a intensificação do comércio, tanto o legal quanto o ilegal; vê-se, inúmeras vezes, o dano ambiental grave; vê-se, também, o enriquecimento, mas, ao mesmo tempo, o conflito e o jugo.

Desde tempos remotos, o homem assenta-se sobre a terra, para produzir, para viver em comunidade e elaborar sua cultura. A sociedade brasileira segue esse padrão e formou-se, na busca da segurança de um lugar para abrigar-se e desenvolver-se, sendo, mesmo, tradicionalmente, conhecida a sua vinculação com a terra, com o imóvel “da família”.

Portanto, para o desenvolvimento social justo e sustentável, à família ou à comunidade que se encontre em território que encerre, em si, interesse minerário, não se pode dar as costas ou fechar os ouvidos e os olhos, negar a voz ou seus direitos. Há que se respeitá-los e à sua história, sua cultura, suas necessidades e sua dignidade.

 

Mariana Santos e Márcia Itaborahy

MM Advocacia Minerária

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...