MPF recorre de decisão que isenta Schvartsman de culpa por Brumadinho

Publicado em

 

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu da decisão da Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF6) de excluir o ex-presidente da Vale Fábio Schvartsman da ação penal que apura os responsáveis pela tragédia de Brumadinho, em 2019. Na ocasião, o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, pertencente à mineradora, matou 272 pessoas.

Com a decisão do TRF6, o então presidente da Vale deixou de responder na Justiça pelas mortes, embora a denúncia aponte que ele sabia do risco de rompimento da barragem e nada fez para impedi-lo. Os embargos de declaração foram apresentados nessa quinta-feira (4).

No recurso, o procurador regional da República Darlan Airton Dias apontou omissão, obscuridade e contradição no acórdão que concedeu habeas corpus ao ex-presidente da Vale, resultando no trancamento das ações penais contra Schvartsman.

De acordo com o MPF, na peça processual, Darlan Dias destaca pontos da decisão que, na avaliação do MPF, devem ser esclarecidos, como a falta de transparência no julgamento com a consequente violação ao direito das vítimas, além do revolvimento de provas de forma indevida pelos julgadores para justificar a decisão de ausência de justa causa da denúncia.

Ainda de acordo com o MPF, nesse sentido, o órgão requer que os embargos tenham efeitos infringentes, ou seja, modificativos para alterar o resultado da decisão, tendo em vista os vícios apontados.

Segundo o procurador, ao examinar as provas pela via do habeas corpus, o colegiado do TRF6 assumiu funções exclusivas do juiz do caso, a quem cabe a formação da convicção quanto à materialidade do fato e à existência de indícios suficientes de autoria ou participação nos crimes contra a vida.

“Na hipótese dos autos, os eminentes julgadores, para afirmarem que carece justa causa na atual fase da persecução penal, valeram-se de aprofundada análise das provas constantes dos autos de origem e atribuíram-lhe interpretação diametralmente diversa à do juízo natural”, aponta o procurador, no recurso.

De acordo com Darlan Dias, o grau de profundidade dos votos na análise da prova, por si só, já demonstra que não há ‘evidente ausência de justa causa. Para o procurador, foi necessário um enorme esforço de revolvimento de provas para se chegar a essa conclusão equivocada. Por isso, ele pede que os vícios na decisão sejam sanados, o que pode alterar a conclusão do julgamento.

MPF critica falta de transparência na decisão

Outro ponto questionado no recurso do MPF foi o formato do julgamento. Darlan Dias diz que não houve transparência na votação, o que prejudicou o devido processo legal e o direito das vítimas.

Ele argumenta que o julgamento do habeas corpus em favor do ex-presidente da Vale foi iniciado em sessão presencial (realizada em dezembro) e depois teve continuidade em meio virtual, contrariando o requerimento feito pelo MPF para que o processo tivesse o julgamento concluído em sessão presencial.

O Ministério Público defendeu em manifestação enviada à Corte que a medida era necessária “em homenagem ao princípio constitucional da publicidade dos julgamentos e também em prestígio ao direito dos familiares das vítimas de acompanharem o julgamento em todos os seus aspectos”.

Ainda conforme o MPF, também é preciso “esclarecer a contradição e a obscuridade do voto do revisor sobre esse ponto”. A procuradoria alega que ele indeferiu o requerimento do MPF com argumento de que, após instalada a sessão virtual, as partes poderiam acessar o voto-vista e aguardar a manifestação dos demais desembargadores, podendo apresentar petições ou esclarecimentos adicionais durante o julgamento. Porém, o procurador aponta que não foi informado às partes a forma como poderiam acessar os votos e apresentar petições ou esclarecimentos.

O MPF ainda aponta que as sessões virtuais do TRF6 não permitem acesso do órgão e das partes aos votos, que só ficam disponíveis com a publicação do acórdão. “Não existe um sistema que permita às partes e ao MPF acompanhar o andamento da sessão virtual”, critica o procurador

Dias ainda cita, ainda, que o Ministério Público só teve acesso aos votos referentes ao HC no dia 25 de março, quando foram publicados no sistema processual do Judiciário (PJe), sendo que antes dessa data a imprensa já havia noticiado o resultado do julgamento.

O procurador conclui que houve “flagrante violação à publicidade dos julgamentos e também aos direitos dos familiares das vítimas de acompanharem o julgamento em todos os seus aspectos”.

Darlan Dias acrescenta, ainda, que o MPF também foi prejudicado em sua função constitucional de custos legis por não poder acompanhar o julgamento e apresentar petições ou solicitações de esclarecimentos ao longo da sessão virtual. “Houve manifesto prejuízo e violação de direitos processuais das partes interessadas, inclusive do MPF na condição de custos legis, ante o impedimento da continuidade do julgamento em sessão presencial”, finaliza.

Clique e relembre os argumetos do TRF-6 para suspensão da ação contra o ex-presidente da Vale.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...