Entidades se reúnem em Itabira para debater o projeto Serra da Serpentina

Publicado em

 

O Coletivo SOS Doce Santo Antônio, formado por uma série de entidades da sociedade civil, promove desde o sábado 1 de julho, até este domingo (2), um encontro para debater o projeto Serra da Serpentina, da Vale. O evento, realizado na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Itabira, reúne também membros de comunidades que devem ser afetadas pelo projeto, caso ele seja executado pela mineradora. A Vale já protocolou documentos nos órgãos ambientais competentes solicitando licenças ambientais.

O projeto Serra da Serpentina prevê, além de minas na região, a implantação de um mineroduto de 115 km indo de Conceição do Mato Dentro até Nova Era, impactando diretamente o território dos municípios de Carmésia, Dom Joaquim, Morro do Pilar, Antônio Dias, Santa Maria de Itabira, Santo Antônio do Rio Abaixo, São Sebastião do Rio Preto, Itambé do Mato Dentro e Passabém. O projeto também impactará a bacia hidrográfica do Rio Santo Antônio, um dos principais e mais preservados afluentes do Rio Doce.

De acordo com o Coletivo SOS Doce Santo Antônio, a partir da análise da documentação protocolada, o projeto prevê a exploração da região por 39 anos, com 18 cavas interligadas por estradas, ocupando cerca de 1.950 hectares. O empreendimento afetará 94 cavernas e possíveis sítios arqueológicos, onde 49 serão totalmente eliminados (cavernas com biota e importância hidrológica específica).

Há ainda, segundo o Coletivo, 53 pedidos de Outorgas para exploração de água superficial e subterrânea, sendo que 51% de área de exploração afetada são de matas naturais, incluindo unidades de conservação protegidas por Lei. O projeto impactará, ainda, 48 unidades, entre áreas de uso sustentável, reservas particulares, patrimônios naturais, áreas de proteção integral, monumentos naturais, parques e reservas biológicas.

Serão afetados, ainda segundo o Coletivo, 25 espécies de animais ameaçados de extinção da lista internacional, 31 espécies ameaçadas da lista Nacional e 41 espécies ameaçadas da lista Estadual, 12 espécies raras e quatro espécies endêmicas (presentes apenas nesse bioma).

Representatividade

Neste sábado, entre os participantes também estavam parlamentares. Estiveram presentes a Deputada Estadual Bela Gonçalves (Psol), um representante do mandato da deputada federal Duda Salabert (PDT) e também a deputada Federal Celia Xacriabá (Psol). A indígena fez uma manifestação tradicional com cânticos e criticou a possibilidade de os povos indígenas de Carmésia serem impactados pelo projeto.

“A mineração, quando matou o Rio Doce do povo Krenak, Dona Djanira falava: matou o jeito de nós comer, matou o jeito de nós viver, matou o jeito de nós pensar (sic). O povo Pataxó tem uma festa muito importante, sagrada, que é o ritual da festa dos encontros das águas, e nesse sentido a água é um elemento muito importante para nós”, comenta a deputada.

“Somente a luta pode ajudar a mudar o processo de decisão. É importante a nossa presença, mas nosso poder é transitório. O poder permanente é povo. Continuamos lutando pelo território”, complementa.

O evento prossegue nesse domingo, com a promessa de no final elaborar uma carta à sociedade. Compõem o Coletivo SOS Doce Santo Antônio a Associação de Conservação Ambiental Orgânica de Santa Maria de Itabira (Acaó), a Associação de Defesa e Desenvolvimento Ambiental de Ferros (ADAFF), Brigadas Populares, Comissão das Comunidades Quilombolas do Rio Doce, Federação das Comunidades Quilombolas do Estado de Minas Gerais (N’Golo), Instituto Cordilheira, Observatório dos Conflitos e Confluências Rurais do Rio Doce (OCDOCE/Unifei), Movimento pela Soberania Popular na Mineração (MAM); Movimento pelas Serra e Águas de Minas; Projeto Manuelzão (UFMG), PCB Itabira e UJC Itabira.

Diálogo

O prefeito de Conceição do Mato Dentro e também presidente da Associação dos Municípios Mineradores (Amig), José Fernando Aparecido Oliveira, criticou a ausência da mineradora no debate com as comunidades afetadas: “Estou sabendo por intermédio de terceiros sobre esse projeto. Estou sabendo que a Vale entrou com (o pedido de) uma Licença Prévia para minerar em Conceição do Mato Dentro. Infelizmente não fomos procurados pela Vale. Posso dizer que a Vale é a porta voz do silêncio. Não dialoga, não comunica, não diz se vai vir ou se não vai vir”.

A Vale publicou uma nota resumindo o projeto e disponibiliza os documentos protocolados para licenciamento. Saiba mais.

Atualizado às 11h53

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...