Amig cobra tributação do minério exportado para mais investimentos em municípios

Publicado em

 

Entre os itens mais relevantes sobre a reforma tributária no Brasil está a necessidade de revisão da Lei Kandir, mecanismo criado em 1996 que isenta o minério exportado pelo Brasil de tributação. O impacto negativo desse modelo é uma reclamação recorrente da Associação dos Municípios Mineradores de Minas e do Brasil (Amig) e foi debatido em audiência pública no Congresso Nacional no último mês de maio.

A legislação tem, segundo representantes de entidades do setor, impedido a participação dos municípios brasileiros na cadeia produtiva da mineração. O presidente da entidade, José Fernando Aparecido de Oliveira, explica que praticamente todo o minério extraído no Brasil vai para outros países para alimentar uma cadeia produtiva. Ou seja, fora do Brasil o minério gera emprego, renda e industrialização, enquanto o mesmo não acontece no país de origem.

Para o presidente da Amig, o setor tem atuado dentro de uma ótica tributária perversa. “Precisamos urgentemente corrigir a distorção presente na Lei Kandir, que há mais de 20 anos desonera o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para bens não renováveis exportados. 83% do minério de ferro produzido no Brasil é exportado e não gera impostos no mercado interno. A legislação favorece a expansão da indústria no exterior em detrimento do Brasil. É preciso ter uma visão agregadora de valor internamente, de gerar emprego e renda em território nacional”, explica.

O presidente do Instituto de Justiça Fiscal, Dão Real Pereira dos Santos, diz que a proposta de reforma tributária não está atacando esse problema. “O objetivo não é acabar com a Lei Kandir, e sim acabar com a perpetuação da não tributação. Se o governo quiser, ele pode fazer isso. Porém, isso cria uma resistência enorme no mercado. Aí surgem as desculpas, como por exemplo: se cobrar vai encarecer o produto no exterior e não vamos conseguir vender, com isso o país vai perder exportação. Essa é uma justificativa sem base de sustentação”, garante.

Dão Real explica que o preço da commodity não é negociado venda a venda, mas sim cotado internacionalmente. “Se eu for cobrar imposto eu não vou deixar de vender por isso, o que vai acontecer é que se terá um lucro menor na venda. Em geral, as mineradoras possuem lucros bilionários. O lucro líquido da Vale, por exemplo, chegou à casa dos R$120 bilhões. Essa margem alta é devido à tecnologia que ajuda na redução de custos da atividade.”

Para Real, quem está ganhando com a revolução tecnológica, que muitas vezes é financiada por estados e Governo Federal, são as mineradoras. “Ou seja, através dos pesquisadores e das universidades, os governos estaduais financiam os estudos que ajudam a reduzir os custos da atividade mineral e fazem com que o lucro das mineradoras avance. Porém, os cofres públicos não ganham nada em relação a esse lucro”, detalha.

Desequilíbrio

Os números da mineração no Brasil impressionam. Em 2022, as exportações minerais brasileiras alcançaram US$ 41,7 bilhões, de acordo com dados divulgados pela Amig. O saldo comercial mineral (exportações menos importações) de quase US$24,9 bilhões equivaleu a 40% do saldo comercial brasileiro, de US$ 61,8 bilhões.

O consultor de Relações Institucionais e Econômicas da Amig, Waldir Salvador, diz que é preciso transformar os tributos sobre a mineração em investimentos socioeconômicos nos municípios. “Está comprovado em números que a mineração brasileira, principalmente aquela que exporta, pode e deve contribuir mais para o país. Queremos que as mineradoras sejam cada vez mais prósperas, mas que a exportação tenha equidade e equilíbrio entre aquilo que fica no país e aquilo que fica nos cofres de seus sócios”, diz Salvador.

“É preciso transformar essa arrecadação em diversificação econômica e na mitigação dos impactos provocados pela atividade mineral nas cidades. Somente a Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) não é suficiente. Isso não pode continuar assim e a AMIG não medirá esforços para mudar esse cenário”, destaca.

Palestra

Os presidente do Instituto de Justiça Fiscal ministrará uma palestra sobre o tema na próxima segunda-feira (19), na Academia Mineira de Letras, em Belo Horizonte. O evento integra a programação do lançamento pela Amig da edição especial do livro “A concessão Itabira Iron – A origem da Vale e os primórdios da indústria da mineração no Brasil”. Clique e saiba mais.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...