Meio Ambiente Social – uma construção necessária

Publicado em

O componente social do conceito de meio ambiente tem evoluído, gradativamente. A própria relação do ser humano com o seu meio ambiente natural sofreu alterações, a partir da era industrial, iniciada com a Revolução Industrial. A harmonia “ser humano – meio ambiente”, existente, anteriormente, se quebrava, pouco a pouco.

As pessoas em sociedade, principalmente a urbana, passaram a perceber, gradativamente, que o seu entorno natural sofria alterações: fumaças no ar, esgotos urbanos não tratados (das casas, dos complexos industriais, das minerações), diretamente lançados nos rios e mares, vegetações nativas suprimidas, contaminação do solo.

Se, inicialmente, o impacto não se percebia de imediato, com o tempo, o ser humano viu que a sua qualidade de vida (ar, água, ruídos e as próprias relações interpessoais) sofria alterações relevantes, influindo em sua saúde física e mental, sua dignidade, como pessoa e como coletividade. 

O meio ambiente, que, antes, se limitava ao componente natural, passou a conter, em seu conceito, a economia, porque esta estava – e está! – em franca evolução, com as novas tecnologias. O desenvolvimento econômico necessita do uso dos recursos naturais e a vinculação desses dois componentes tornou-se, evidente e diretamente, considerada. O uso dos recursos naturais, pelos agentes econômicos, causa necessário impacto, em maior ou menor grau: um dano ambiental.

O componente social veio, após, integrando o conceito, não só pela sociedade, em si, como, também, em seu aspecto laboral: o ser humano é agente causador do dano e destinatário dele, em sua casa, em seu lazer, em seu trabalho.

A mineração é uma atividade, necessariamente, exploratória dos recursos minerais, produzindo altíssimos impactos. Exemplos atuais são as mineradoras que exploram o minério de ferro, como a Vale S.A e seu futuro projeto na Serra da Serpentina, e a Anglo American do Complexo Minerário Minas-Rio, ambas em Conceição do Mato Dentro, Minas Gerais. A alteração social, em seus múltiplos aspectos, no entorno de tais projetos, é evidente.

Outro exemplo importante é o bioma Mata Atlântica (hoje, 27/05, é o dia Nacional da Mata Atlântica), que perdeu mais de 90% de sua área, animais e vegetação, com o desenvolvimento das regiões sudeste e sul do Brasil, onde vive 70% da população brasileira. Altíssima alteração natural e social!

O século XX apresentou o grande desafio da sociedade: como evoluir sem destruir? O século atual herdou tal desafio, de forma qualificada, pela urgência da resposta.

O conceito de sustentabilidade e a atuação humana, sob esse princípio, têm sido essa resposta e a discussão sobre esse desenvolvimento, essa evolução, que se pretende sustentável, deve ter claros os conceitos de sustentabilidade ecológica (meio ambiente natural) e sustentabilidade social: estão intrinsecamente vinculados, numa relação íntima de causa e efeito. A economia vai permear esses conceitos, orientando a dinâmica da evolução.

Desmatamentos, queimadas, poluição dos rios e dos mares, destruição de ecossistemas, gradativamente, ou não, e em várias escalas, a destinação e tratamento dos diversos resíduos produzidos (domésticos, industriais, agrícolas, minerários): o trato do meio ambiente envolve os aspectos físicos e biológicos, sociais e culturais, relações interpessoais, intersociais e intergeracionais, ou seja, importam as pessoas, exatamente, como agentes e destinatários, em todos os seus aspectos de vida, para as gerações de hoje e as futuras.

Para a Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, das Nações Unidas, o desenvolvimento sustentável é aquele que não esgota os recursos para o futuro; que é capaz de suprir as necessidades da geração atual, garantindo a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. 

Veja-se que o aspecto social, continuamente construído, é essencial para o atingimento das metas de sustentabilidade, uma vez que é o ser humano, como agente social, que declara sua vontade e decide sobre os rumos que deseja adotar para si, individual e coletivamente.

O que se exigirá, de cada um, é a consciência e a responsabilidade desta posição!

Mariana Santos e Márcia Itaborahy
MM Advocacia Minerária.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...