Servidores da ANM voltam a fazer paralisação

Publicado em

 

Mobilizados em todo o país, servidores da Agência Nacional de Mineração (ANM) cruzaram os braços mais uma vez contra o desmonte da Agência reguladora. Os grevistas se reuniram em frente ao Anexo 2, da Câmara dos Deputados, onde nesta terça-feira (13) uma audiência pública tratou do tema.

Em assembleia realizada na semana passada, por maioria dos votos, os servidores haviam decidido continuar a greve. As paralisações gerais ocorrerão ainda nos dias 21, 27, 28 e 29 de junho, segundo a agenda divulgada pelo Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências).

De acordo com o sindicato, serviços essenciais da agência reguladora estão sendo reduzidos gradativamente. Entre eles, a fiscalização de barragens, Permissão de Lavra Garimpeira (PLG), autorizações de pesquisa com indício de lavra ilegal, validade de licenças, entre outros.

“Após o governo negar se comprometer em resolver o pleito da ANM, única categoria com orçamento garantido na LOA 2023, alegando temer reação de outras categorias, regulamentou o bônus da receita federal para 2024. Assim, o governo confirma a falta de coerência dos vetos aplicados para a estruturação da agência, podendo indiretamente prejudicar o combate a sonegação e ao garimpo ilegal e o crime organizado, tal qual apontado pelo plenário do STF em sua recente decisão na MP do Ouro”, afirma o presidente do Sinagências, Cléber Ferreira.

Histórico

O Sinagências atribui ao sucateamento da agências problemas graves ocorridos na mineração no Brasil desde 2015, quando a falta de fiscalização das barragens levou à tragédia de Mariana, com 19 pessoas mortas e danos severos ao Rio Doce. Já em janeiro de 2019, o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho fez 272 vítimas fatais e despejou rejeitos na bacia do Rio Paraopeba.

Os servidores exigem que o Governo Federal faça uma reestruturação no órgão. Entre as principais reinvindicações, querem a correção da distorção salarial entre eles e servidores das outras 10 agências reguladoras nacionais. Além disso, solicitam o reforço na estrutura de cargos e a recomposição do quadro de pessoal, por meio de concursos públicos.

Os grevistas também pedem pelo repasse integral da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cefem), correspondente a 7% da arrecadação anual. Por fim, reivindicam a reformulação do Fundo Nacional da Mineração (FUNAM), conforme previsto na Lei nº 14.514/2022.

O Governo Federal se comprometeu a atender às reinvindicações apenas em 2024. O Executivo alega que não tem recursos previstos no orçamento para este ano. Saiba mais.

Matérias Relacionadas

‘Biossólido Itabira’ irá transformar lodo da Estação de Tratamento de Esgoto Laboreaux em um insumo agrícola

O “Biossólido Itabira”, uma colaboração entre o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de...

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Festival Os Sons do Brasil’ chega em Ouro Preto e Mariana entre 20 a 22 de junho

Entre os dias 20 a 22 de junho, Ouro Preto e Mariana serão palcos...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Cidade das gemas: moradores de Teófilo Otoni vivem terror com guerra entre facções criminosas

Bandidos trocaram tiros com a Polícia na noite desta quinta-feira; PCC e Comando Vermelho vêm amedrontando moradores da cidade nas últimas semanas

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios