Mesmo com aço brasileiro em crise, ArcelorMittal assegura investimentos de R$ 25 bilhões até 2027

Publicado em

 

Mesmo com o mercado do aço brasileiro pressionado pelas importações do produto da China e do anúncio de paralisação de parte da sua produção, a ArcelorMittal assegurou que não vai reduzir os investimentos previstos nos próximos anos. A maior produtora de aço do Brasil prevê investir R$ 25 bilhões no país até 2027, o que envolve as operações da unidade de João Monlevade.

Pondo fim a especulações, a afirmação foi dada pelo presidente da companhia, Jefferson de Paula, em entrevista ao Programa IM Bussines, do portal Infomoney. “Nós estamos há 101 anos no Brasil e seguimos acreditando no país. Temos grandes oportunidades em saneamento e infraestrutura, que precisam sair do papel. Os problemas conjunturais sempre passam e nós, como líderes de mercado, temos que puxar as iniciativas”

A ArcelorMittal, no entanto, já recalculou suas estimativas para 2023 e espera fechar o ano com uma produção 1,3 milhão de toneladas menor na comparação com 2022. Na semana passada a companhia havia anunciado férias coletivas em três de suas plantas no país e diminuição na produção. Saiba mais.

Mesmo otimista, o presidente da ArcelorMittal – também presidente do Conselho Instituto Aço Brasil – lembra que o governo precisa fazer sua parte, principalmente na diminuição do chamado “custo Brasil”. Ele defende um aumento de tributação sobre o aço vindo da China dos atuais 10% para 25% por pelo menos um ano, até que o mercado se reequilibre.

De Paula disse que a demanda já chegou ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que estuda o pedido: “Nós queremos estar nas mesmas condições de Estados Unidos, União Europeia e México [países que aplicaram tributação semelhante]. Nós acreditamos e defendemos o livre comércio, mas ele precisa ser justo. Não dá para sermos bonzinhos do nosso lado enquanto o outro lado trabalha com subsídios”, explicou.

Sem Titulo 5 2
Embora otimista, Jefferson De Paula recomenda que tarifas sobre importação do aço seja revista

ArcelorMittal vê distorção no mercado com aço chinês

Entre janeiro e setembro de 2023, as importações de aço da China dispararam 58% no acumulado do ano até setembro, enquanto a produção nacional caiu 8,4%; as vendas, 5,4%; e as exportações, 4,4%, segundo estimativas do setor. A previsão é de que a entrada de aço chinês no país cresça 50% em 2023 em relação ao ano passado, para 5 milhões de toneladas, ou 25% do consumo anual de aço no país (20 milhões de toneladas).

O presidente da ArcelorMittal Brasil diz que tal cenário gerou uma distorção de mercado, porque as siderúrgicas chinesas são estatais e recebem subsídios. “Com isso, elas vendem com margem negativa para continuar gerando emprego”, analisa De Paula.

Matérias Relacionadas

‘Biossólido Itabira’ irá transformar lodo da Estação de Tratamento de Esgoto Laboreaux em um insumo agrícola

O “Biossólido Itabira”, uma colaboração entre o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de...

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Festival Os Sons do Brasil’ chega em Ouro Preto e Mariana entre 20 a 22 de junho

Entre os dias 20 a 22 de junho, Ouro Preto e Mariana serão palcos...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Cidade das gemas: moradores de Teófilo Otoni vivem terror com guerra entre facções criminosas

Bandidos trocaram tiros com a Polícia na noite desta quinta-feira; PCC e Comando Vermelho vêm amedrontando moradores da cidade nas últimas semanas

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios