Seminário realizado pelo Ibram debate descarbonização nos processos da mineração

Publicado em

 

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) promoveu, na tarde dessa terça-feira (3), no Rio de Janeiro, a 6ª edição do Seminário de Descarbonização das Indústrias de Base: Indústria Mineral. O evento é fruto de uma parceria com o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e a Associação Brasileira de Alumínio (Abal) e debateu a agenda de oportunidades de descarbonização da produção mineral.

O diretor-presidente do Ibram, Raul Jungmann, destacou as ações em prol da agenda de descarbonização e o planejamento estratégico da indústria mineral em termos de ESG. Jungmann lembrou que o Instituto iniciou o 3º Inventário de Gases e Efeito Estufa do setor.

“Estamos chegando à terceira rodada de apuração do nível de emissões. Fizemos uma primeira em 2008, com 10 minerais analisados e uma segunda em 2013, com análise de 16 tipologias. O resultado foi que o setor é responsável por aproximadamente 0,5% das emissões do país”, comentou o diretor-presidente do Ibram.

Jungmann também destacou preocupações do setor quanto às políticas públicas que estão em tramitação sobre o projeto de lei referente ao Mercado Regulado de Carbono. O diretor chamou a atenção para três pontos, em especial: os limites de emissões estabelecidos para as empresas reportarem, considerados muito baixos; as penalidades estabelecidas, que se afastam do conceito do mercado de carbono, sendo similares às penalidades ambientais; e a governança do setor regulado participando junto ao governo.

Processo Produtivo da Mineração

Um dos destaques do evento foi a apresentação do  painel “Processo Produtivo da Mineração”. Por meio dele, o diretor de Assuntos Associativos e Mudança do Clima do Ibram, Alexandre Mello, enfatizou as possíveis possibilidades de descarbonização e mitigação na indústria mineral.

“Temos grandes oportunidades no transporte, seja no despacho dos minerais ou nas movimentações internas da própria atividade; nas plantas industriais e no beneficiamento; e em um terceiro ponto: o setor mineral preserva e cultiva várias florestas nativas e plantadas e isso tem um grande potencial de remoção de CO₂ que deve ser contabilizado na equação final do setor”, explicou Mello.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...