RACs e segurança do trabalho na mineração

Publicado em

Os RACs são os Requisitos de Atividade Crítica desenvolvidos pela Vale e exigidos em empresas e mineradoras para o ingresso de funcionários e colaboradores. O objetivo dos requisitos é capacitar os trabalhadores, reforçar a segurança no trabalho e prevenir acidentes.

Os RACs são, basicamente, treinamentos pelos quais todo colaborador de uma mineradora deve passar antes de ingressar efetivamente na empresa. Os treinamentos são obrigatórios e fundamentais para o processo de Mobilização de Terceiros. Nesta etapa, deve ser emitida a documentação de segurança do trabalho e o PGR (Programa de Gerenciamento de Riscos) em que consta uma matriz de treinamento da empresa.

Cada profissional passa por um RAC específico que varia de acordo com a função a ser exercida por cada um. Atualmente, existem 11 RACs: Trabalho em Altura, Veículos Automotores, Equipamentos Móveis, Bloqueio e Etiquetagem, Içamento de Carga, Espaço Confinado para Supervisores de Entrada, Espaço Confinado para Vigias e Empregados Autorizados, Proteção de Máquinas, Estabilização de Taludes, Explosivos, Trabalho com Eletricidade e Metal Líquido.

Além dos Requisitos padrão, diversas empresas possuem treinamentos exclusivos. A Vale, por exemplo, realiza treinamentos de ambientação com duração de 24 horas, por 3 dias. Nestes, são discutidas questões sobre segurança, saúde, meio ambiente e primeiros socorros.  Algumas empresas também realizam treinamentos complementares, os quais são relacionados com a Cultura e as Regras de Conduta de cada empresa.

Ana Carolina Freitas possui experiência na área de segurança do trabalho em mineração e, atualmente, é técnica em segurança do trabalho e gerente geral da ProLife. Em entrevista ao Cidades e Minerais, Ana Carolina afirma a importância dos processo de mobilização e treinamento para as mineradoras.

“Quando falamos em treinamento, nós abrimos a mente do colaborador para que ele entenda que irá trabalhar em uma área de riscos e o que ele precisa fazer para evitar acidentes. São processos importantes para a empresa e para os trabalhadores que irão adentrar em áreas de risco. No caso da mineração, risco em alto grau (grau 4).”

Ana Carolina também ressaltou a importância da mobilização para comprovar a aptidão dos trabalhadores por meio de treinamentos e exames médicos.

Saiba mais sobre o processo de Mobilização em: https://cidadeseminerais.com.br/processo-de-mobilizacao-nas-mineradoras/

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...