Justiça multa Fundação Renova em R$ 250 mil após negar auxílio financeiro aos atingidos pela barragem de Mariana

Publicado em

 

A Justiça impôs uma multa significativa à Fundação Renova, no valor de R$ 250 mil, por má-fé, após a recusa injustificada do auxílio financeiro emergencial (AFE) aos afetados pelo rompimento da barragem de Mariana, na Região Central de Minas Gerais.

A decisão foi proferida pelo juiz Vinícius Cobucci Sampaio, da 4ª Vara Federal Cível e Agrária de Belo Horizonte, na última segunda-feira (25).

O processo contra a Fundação Renova

De acordo com o processo, a Fundação Renova estava excluindo do rol de beneficiários pessoas que aderiram ao sistema indenizatório simplificado (Novel), além de não reconhecer o litoral do Espírito Santo como área afetada pelo desastre, indo de encontro a uma deliberação do Comitê Interfederativo (CIF) que abrange essa região.

As denúncias sobre a negativa de pagamento ou elegibilidade para receber o benefício chegaram à Defensoria Pública e ao Ministério Público durante reuniões realizadas nos territórios afetados. Ao menos 373 moradores de 23 municípios de MG e ES informaram através de correspondências sobre essa negativa.

A Fundação Renova alegou que a recusa estava fundamentada em uma cláusula de quitação prevista no termo do Novel. No entanto, o magistrado considerou que essa interpretação extrapolava o acordo estabelecido.

O juiz determinou que o auxílio financeiro deverá ser pago até que as condições para o exercício das atividades econômicas e produtivas pré-rompimento sejam restabelecidas.

Além da multa por má-fé, a Renova também foi multada por litigância de má-fé, que consiste em agir com o objetivo de causar dano ao processo. A decisão pode ser contestada por meio de recurso.

Procurada pelo CidadesMineradoras.com.br, a fundação Renova infomrou que se manifestará nos autos do processo, dentro do prazo legal.

Rompimento da barragem

O rompimento da barragem de Fundão, ocorrido em 5 de novembro de 2015, resultou no maior desastre ambiental da história do país. Cerca de 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração devastaram comunidades, contaminaram o Rio Doce e chegaram ao Oceano Atlântico, causando danos irreparáveis à região e levando à perda de vidas humanas.

Modificado em 29/03/2024, às 11h18

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...