História de Mariana

Publicado em

Mariana, a “Primeira de Minas”

Nomeada Mariana, devido a uma homenagem do rei de Portugal, Dom João V, à sua esposa, a rainha Maria Ana D’Austria, a cidade localizada a 110 km de Belo Horizonte, foi a
capital mineira primogênita. Com sua trajetória marcada com a busca pelo ouro, religiosidade, descobertas e arte, Mariana com uma média de 60 mil habitantes, de acordo com o IBGE de 2018, também traz em sua história o fato de ter sido a primeira vila e cidade de Minas Gerais. O município que já foi o centro religioso do estado e sede do primeiro bispado mineiro, além de pioneiro em comunicação, com a primeira agência dos Correios em Minas, também possui uma constante lembrança, por suas praças retangulares e ruas em linhas retas, de ter desfrutado de ser uma das primeiras cidades planejadas do Brasil e a inaugural em Minas Gerais.

mariana
Foto: Euler Júnior/ EM

Ainda assim, não é apenas nisso que Mariana é pioneira. A antiga capital das Gerais
guarda outras riquezas além da estética que remete ao período do Brasil Colônia, porém que foram descobertas com ele. Apesar de seus distritos desenvolverem atividades agropecuárias e um artesanato variado, afora o turismo, a principal atividade econômica e industrial do município é a extração de minério de ferro, forte geradora de empregos e receita pública. A ligação da cidade com a mineração se consolidou com a descoberta de ouro em um rio batizado de Ribeirão Nossa Senhora do Carmo, em 16 de julho de 1696, graças aos bandeirantes paulistas liderados por Salvador Fernandes Furtado de Mendonça.

Às margens do rio foi fundado o arraial de Nossa Senhora do Carmo, que em pouco
tempo se transformaria em um dos principais fornecedores de ouro à coroa portuguesa, e
meio século depois ganharia o nome de Mariana. Em consequência disso, a cidade tombada
como Monumento Nacional em 1945 e conhecida como “Primeira de Minas” tem
participação na Trilha dos Inconfidentes, Circuito Estrada Real e é um dos municípios mais
importantes do Circuito do Ouro. Mas sua relação com a mineração não se encerrou aí. No
ano de 2015, ondas com detritos de minério devastaram o subdistrito de Santa Rita Durão,
pertencente a Mariana, Bento Rodrigues. O rompimento da uma barragem administrada pela empresa Samarco foi responsável pela contaminação do Rio Doce e a morte de 20 pessoas.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...