Ambientalistas exigem revisão do decreto que regula caução ambiental na indústria mineradora

Publicado em

Durante a audiência da Comissão de Administração Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizada na tarde de quinta-feira (7), reuniu ambientalista e parlamentares para discutir o decreto que regula caução ambiental na indústria mineradora.

A audiência foi promovida atendendo a um requerimento da deputada Beatriz Cerqueira (PT), que presidiu o debate.

Entenda mais sobre o decreto de caução ambiental na indústria mineradora

Emitido pelo Executivo em 29 de dezembro de 2023, o decreto tem como objetivo regulamentar a chamada caução ambiental, uma espécie de seguro destinado a garantir a reparação ambiental e social em caso de incidentes com barragens de rejeitos, como os ocorridos em Mariana (Central) em 2015 e Brumadinho (RMBH) em 2019.

Além disso, o decreto abrange a descaracterização (desativação e recuperação) de empreendimentos atuais ou futuros.

Esta regulamentação faz parte das diretrizes estabelecidas pela Política Estadual de Segurança de Barragens, instituída pela Lei 23.291 de 2019, conhecida como Lei Mar de Lama Nunca Mais, promulgada imediatamente após a tragédia em Brumadinho.

Em termos gerais, o decreto especifica quatro modalidades de garantia para a implementação da caução ambiental: depósito em dinheiro; Certificado de Depósito Bancário (CDB); fiança bancária ou seguro-garantia.

Reunião precisou ser interrompidas pro protestos de ambientalistas

A reunião foi momentaneamente interrompida devido aos protestos vindos das galerias do Plenário II. Estes manifestantes, alinhados aos ambientalistas que expressaram críticas durante a sessão, também se opõem ao decreto.

Sua principal argumentação reside na preocupação de que o referido decreto possa interferir negativamente nos investimentos e na criação de empregos.

O relatório desenvolvido pelo Instituto Fórum Permanente do São Francisco também aponta que, ao seguir a metodologia estabelecida pelo decreto, a caução para a barragem que se rompeu em Mariana deveria ser aproximadamente R$ 62,8 milhões.

No entanto, a estimativa da Advocacia-Geral da União (AGU) para a recuperação da área afetada é de R$ 126 bilhões, uma diferença que representa 2.006 vezes menos do que o valor proposto pelo decreto.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...