Estrada Real: estávamos no caminho certo?

Publicado em

 

Você já deve ter ouvido falar na Estrada Real. Muita divulgação, marketing e, inclusive, ela até já foi tema de samba-enredo no carnaval do Rio de Janeiro – escola de samba Estação Primeira de Mangueira – em 2004. É fruto de um programa estadual que teve seu inicio no ano 2000. O objetivo de tal programa é fomentar a atividade turística em Minas Gerais, no percurso realizado pelos viajantes de Diamantina até Parati no RJ, tendo como carro-chefe a Estrada Real.

O termo Estrada Real refere-se aos caminhos trilhados pelos colonizadores desde a descoberta do ouro em Minas Gerais até o período de sua exaustão. A expectativa do Instituto Estrada Real, entidade responsável pela articulação desse produto turístico – na época – era de atender mais de 2,5 milhões de turistas por ano, aumentar a geração de emprego e renda e projetar nacional e internacionalmente Minas Gerais e as 177 cidades abrangidas pelo projeto.

Entretanto, estávamos realmente preparados para atender as expectativas e necessidades dos milhares de turistas e investidores? Ou foi mais uma travessura dos políticos apenas para se auto promover mais um projeto construído apenas para sua auto promoção em busca de votos?

Sem Titulo 14 3
Mapa oficial da Estrada Real

O que vi na Estrada Real

Durante dois dias, percorri centenas de quilômetros da Estrada Real e pude perceber um visual maravilhoso: natureza, monumentos históricos, enormes montanhas de pedras, cachoeiras e grutas. No entanto, a ocupação desordenada e a exploração imobiliária, sem nenhum controle, podem ameaçar o patrimônio.

A falta de sinalização, quilometragens equivocadas e dificuldades de obter informações são fatores que nos privam de conhecer vários atrativos turísticos. Verifiquei vários marcos de sinalização turística danificados, cercas de arame e porteiras impedindo e dificultando o acesso. Percebi também, pontos turísticos sem qualquer identificação e estrutura, como a ausência de lanchonetes, restaurantes, sanitários, hotéis e pousadas para atender o turista.

Conseguiremos, realmente, criar empregos, aumentar a renda e a arrecadação, além de promover o desenvolvimento em um universo tão exagerado de cidades e com pouca infraestrutura para receber turistas do Brasil e do mundo?

1 6
Reginaldo Calixto
é administrador, empreendedor, MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Em Itabira-MG foi vice-prefeito, secretário de Desenvolvimento Econômico, provedor do Hospital Nossa Senhora das Dores e presidente da Associação Comercial e Industrial de Itabira (Acita).
Instagram:@reginaldocalixto
Whatsapp: (31) 98808-7740

Matérias Relacionadas

‘Biossólido Itabira’ irá transformar lodo da Estação de Tratamento de Esgoto Laboreaux em um insumo agrícola

O “Biossólido Itabira”, uma colaboração entre o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de...

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Festival Os Sons do Brasil’ chega em Ouro Preto e Mariana entre 20 a 22 de junho

Entre os dias 20 a 22 de junho, Ouro Preto e Mariana serão palcos...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Cidade das gemas: moradores de Teófilo Otoni vivem terror com guerra entre facções criminosas

Bandidos trocaram tiros com a Polícia na noite desta quinta-feira; PCC e Comando Vermelho vêm amedrontando moradores da cidade nas últimas semanas

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios