Automação na Mineração: Eficiência, Sustentabilidade e Responsabilidade Social

Publicado em

 

No mês de julho, mantendo nossa tendência de abordar determinados temas, em artigos continuados que formem um debate mais abrangente, trataremos de alguns enfoques sobre as Tecnologias Inovadoras e seu papel na Mineração Sustentável. Serão textos interligados, durante o mês, que pretendem despertar-nos para a inovação tecnológica que avança sobre nós, neste exato momento, em várias – senão todas – áreas da nossa existência em sociedade. São textos abertos, uma vez que é inviável uma abordagem fechada ou conclusiva: afinal, estamos vivendo esse caminho, justamente, neste momento.

A automação na mineração tem se destacado como uma solução inovadora para aumentar a eficiência operacional, reduzir custos e minimizar os impactos ambientais. Com o avanço das tecnologias, a utilização de máquinas autônomas e sistemas automatizados está transformando a forma como a mineração é realizada, trazendo benefícios significativos para o setor. No entanto, torna-se essencial considerar também a responsabilidade social das mineradoras e comparar esses impactos com os desenvolvimentos tecnológicos em outros setores, bem como as percepções e preocupações da sociedade em relação a esse desenvolvimento impactante e acelerado.

A mineração já lança mão dos caminhões autônomos, que operam sem a necessidade de um motorista, controlados por sistemas de inteligência artificial e GPS. Seu uso aumenta a eficiência ao manter a operação continuamente sem pausas, reduzindo o tempo de transporte de materiais. A precisão dos sistemas de navegação também minimiza o desperdício de combustível e o desgaste dos veículos.

Máquinas de perfuração autônomas melhoram a precisão das perfurações, reduzindo a necessidade de retrabalho e minimizando os danos ambientais. Também aumentam a segurança dos trabalhadores, que não precisam estar presentes em áreas de risco.

No mesmo sentido, equipamentos de escavação e carregamento e transporte, operam ininterruptamente, sem intervenção humana, com extrema precisão, redução de desperdício e melhoria na eficiência geral da operação.

Esse não é o futuro: esse é o agora.

Redução de acidentes, de custos, de geração de resíduos: máquinas autônomas eliminam a necessidade de presença humana em ambientes perigosos, reduzindo o risco de acidentes e ferimentos, utilizando sistemas avançados e Inteligência Artificial. A premissa é de que os trabalhadores deverão ser deslocados para áreas de monitoramento e controle.

A automação permite a otimização do uso de energia e combustíveis, reduzindo a pegada de carbono da operação minerária. Sistemas de monitoramento em tempo real ajustam automaticamente as operações para maximizar a eficiência energética. A premissa é a de que a eficiência alcançada no uso de recursos contribui para uma operação mais sustentável.

Porém, a responsabilidade social das mineradoras vai além da eficiência operacional e sustentabilidade ambiental. Envolve a consideração dos impactos sociais e econômicos das operações automatizadas nas comunidades locais e na força de trabalho.

Há o sentimento geral de que a automação pode levar à substituição de trabalhadores por máquinas, gerando preocupações sobre desemprego e perda de renda.

As grandes empresas, e, dentre elas, as mineradoras têm, assim, a responsabilidade de investir em programas de requalificação profissional e criação de oportunidades de emprego em áreas relacionadas à tecnologia e manutenção de sistemas automatizados. Investimento em qualificação de seus colaboradores e treinamento, para que se logre a implementação de programas que visem à capacitação dos trabalhadores para que operem e mantenham as novas tecnologias, garantindo a continuidade do emprego e o desenvolvimento de habilidades técnicas avançadas.

A automação e o desenvolvimento tecnológico poderão contribuir, também, para o desenvolvimento econômico das comunidades locais ao aumentar a produtividade e a eficiência das operações minerárias. Os benefícios econômicos alcançados devem ser compartilhados com as comunidades, por meio de investimentos em infraestrutura, educação e saúde.

O impacto do desenvolvimento tecnológico na mineração pode ser comparado com outros setores, onde a automação também tem sido amplamente adotada.

A introdução de robôs industriais e sistemas automatizados, em outras diversas áreas da economia, aumentou a eficiência e reduziu custos, mas também gerou preocupações sobre a perda de empregos e a necessidade de requalificação profissional. Torna-se urgente que haja franco investimento em programas de treinamento e parcerias com instituições educacionais para preparar a força de trabalho para as novas demandas tecnológicas.

A sociedade, a seu turno, vê o desenvolvimento tecnológico com uma mistura de entusiasmo e preocupação. Enquanto a tecnologia promete avanços significativos em eficiência e sustentabilidade, há medos e incertezas que rondam esse desenvolvimento acelerado, com a constante preocupação com o desemprego e a insegurança econômica das famílias, o acesso desigual às tecnologias, a marginalização e um crescente de disparidades econômicas e sociais.

Sustentabilidade na mineração

As soluções propostas pelas organizações internacionais, especialmente a ONU, para que os avanços alcançados com o desenvolvimento tecnológico sejam sustentáveis e responsáveis, são no sentido da efetiva adoção dos critérios de ESG (Environmental, Social, Governance) e alinhamento das suas práticas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

Não há dúvidas de que a automação contribui para a redução dos impactos ambientais ao controlar melhor os processos operacionais. Tecnologias de monitoramento em tempo real permitem detectar e mitigar rapidamente quaisquer efeitos negativos sobre o meio ambiente, como derramamentos de produtos químicos ou degradação do solo.

Atendidos os anseios de minimização dos riscos ambientais, há que se observarem os riscos sociais: trabalhadores deslocados de seus postos originários, comunidades impactadas com as possibilidades de exclusão e marginalização, desemprego e rebaixamento econômico.

A elevação dos ganhos advindos da automação gera para as mineradoras a responsabilidade de investir em programas de capacitação para preparar os trabalhadores para operarem e manterem sistemas automatizados. Além disso, o diálogo contínuo e transparente com as comunidades é essencial para garantir que os benefícios da automação sejam compartilhados, levando ao engajamento comunitário, quando os membros dessas comunidades se sentem incluídos, a partir de investimentos em infraestrutura, educação e saúde.

A adoção de tecnologias automatizadas na mineração deve ser acompanhada por políticas claras de sustentabilidade e responsabilidade corporativa. Isso inclui o cumprimento de regulamentos ambientais, sociais e de governança, além da promoção de práticas empresariais éticas e responsáveis.

A automação na mineração representa uma evolução significativa rumo à sustentabilidade e eficiência operacional. No entanto, é essencial que as mineradoras também considerem sua responsabilidade social, abordando os impactos sobre os trabalhadores e as comunidades locais.

Ao alinhar suas práticas com os critérios ESG e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, as mineradoras podem não apenas aumentar sua eficiência operacional, mas também contribuir para um futuro mais sustentável e justo. É essencial que a adoção dessas tecnologias seja acompanhada de políticas claras de capacitação, engajamento comunitário e transparência, garantindo que os benefícios econômicos e sociais sejam amplamente compartilhados, promovendo um desenvolvimento equilibrado e sustentável que atenda às necessidades presentes sem comprometer as futuras gerações.

Você quer saber um pouco mais sobre Inteligência Artificial, Biotecnologia, Internet das Coisas? E o que tudo isso pode ter a ver com a mineração? Acompanhe-nos.

Mariana e Marcia atual
Mariana Santos e Márcia Itaborahy

MM Advocacia Minerária

Matérias Relacionadas

‘Biossólido Itabira’ irá transformar lodo da Estação de Tratamento de Esgoto Laboreaux em um insumo agrícola

O “Biossólido Itabira”, uma colaboração entre o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de...

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Festival Os Sons do Brasil’ chega em Ouro Preto e Mariana entre 20 a 22 de junho

Entre os dias 20 a 22 de junho, Ouro Preto e Mariana serão palcos...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Cidade das gemas: moradores de Teófilo Otoni vivem terror com guerra entre facções criminosas

Bandidos trocaram tiros com a Polícia na noite desta quinta-feira; PCC e Comando Vermelho vêm amedrontando moradores da cidade nas últimas semanas

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios